Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, janeiro 11, 2018

Debate Santana Lopes e Rui Rio na TVI com a Judite Sousa


Confesso: comecei a ver agora a ver e está a iniciar-se a segunda parte do debate. Não faço ideia como terá corrida a primeira parte. Agora, no dealbar do 2º round, a a Judite já atirou o osso da Sta Mana Joana para cima da mesa. Ambos dizem que é não assunto mas, quais marias-tagarelas, não se calam. Apesar de tudo, e apesar de não estar a prestar muita atenção, parece-me que o Rui Rio é mais atilado que o outro estarola que, so far, só disse estarolices. 

Seja como for, a única coisa que tenho a dizer é que a orelha do Santana Lopes está muito encarnada. Só lhe vejo uma pelo que não sei se a outra também está escarlate como esta deste lado, a esquerda. Mas está a fazer-me impressão. Dizia-se que alguém estava a falar mal de alguém se esse alguém ficasse com a orelha a estalar de vermelhidão. Portanto, não sabendo se é ou não verdade, uma coisa deve ser certa: há ali coisa com 'alguém'. What eu não sei. Às tantas, é o Professor Marcelo (que fez bem em dar um chega para lá nas vizinhas cuscas que aí andavam a saracotear-se a propósito do que a inocente ministra tinha dito) que está a ver o debate e, arrependido, a morder as mãos, vendo bem a leviandade e a maluqueira que vai na cabeça daquele pintas  a quem, impensadamente, recebeu no palácio para lhe dar a benção. Deve estar mortificado, entre dentes rogando pragas ao 'seu' candidato: cabeludo da treta, desbocado, cabeça de vento, nunca mais ganha tino, para que é que fui recebê-lo na véspera?, que insensatez a minha....

Mas pronto, isto sou eu a imaginar que aquela orelha rubra resulta do arrependimento do Rei dos Afectos, o nosso ubíquo São Marcelo, e dos desabafos que se lhe soltam mesmo sem querer. Tirando isso, parece que não há mais nada a dizer. Só que alguém devia levar um saquinho de gelo para arrefecer a orelha do estarola.

Pronto. Agora vou jantar. E duvido que o meu compagnon de route queira ver este triste espectáculo. Caraças.