Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, abril 19, 2017

O amor como um rio
[Um rio noturno, interminável e tardio]





Este infinito amor de um ano faz 
Que é maior do que o tempo e do que tudo 
Este amor que é real, e que, contudo 
Eu já não cria que existisse mais. 

Este amor que surgiu insuspeitado 
E que dentro do drama fez-se em paz 
Este amor que é o túmulo onde jaz 
Meu corpo para sempre sepultado. 

Este amor meu é como um rio; um rio 
Noturno interminável e tardio 
A deslizar macio pelo ermo 

E que em seu curso sideral me leva 
Iluminado de paixão na treva 
Para o espaço sem fim de um mar sem termo.



_____________________

Soneto do amor como um rio de Vinicius de Moraes in 'Para viver um grande amor'

Imagens de pinturas de Marc Chagall, alguém que pintou a inocência dos grandes amores e os rodeou do azul mais luminoso e secreto

Melody Gardot interpreta Love me like a river does

_________________

E queiram continuar a descer para ficarem a saber que eles eram mais antigos que o silêncio e, ainda mais abaixo, para tomarem conhecimento de conselhos da maior utiliddde em Os elementos do estilo

_____________________

Sem comentários: