Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, fevereiro 12, 2017

O chorajoãozinho do CDS, o desatinado láparo e a madame cristas da coxa grossa.
Quanto mais as sondagens se lhes baixam mais, eles, quais galinhas sem cabeça, andam às voltas.
Já o Domingues abalou e ainda eles andam atrás do assunto, incapazes de verem para além da ponta dos dedos.

[Chiça que já cansam!]

(Em actualização)




Há aquele ditado oriental que diz que, quando uma pessoa inteligente aponta para as estrelas, uma mentecapta põe-se a olhar para a ponta do dedo. E, se não é bem isto, é qualquer coisa nesta base.

Quando a equipa do Governo andava ensarilhada a ver se conseguia formar uma Administração para a CGD eu falei nisto aqui. Achei que o Centeno e o verdinho do primo Mourinho estavam a demonstrar não ter o savoir faire necessário para gerir um processo desses (é necessário muita diplomacia, muita politiquice, muito rabo pelado para formar uma mesa de jogo que agrade a todas as sensibilidades). Achei que Costa tinha que se chegar à frente. Depois também. Quando aquilo das declarações de rendimentos do Domingues & Cia. começou a ser empolado pela oposição (e já o Tribunal Constitucional metido ao barulho) voltei a falar nisto aqui: a turma dos PàFs é uma turma ressabiada, meninos que não descansam enquando não dão cabo de tudo, e o Centeno é menino do coro ao pé daqueles malandros encartados.
A CGD está-lhes atravessada há que tempos, quando mais puderem escaqueirar mais a desvalorizam, mais barata ela fica. E, se puderem causar danos graves neste governo, que continuam a achar que é ilegítimo, não se ensaiam nem um bocadinho. Cuidado com eles.
Costa e Marcelo, dizia eu, nessa altura, deveriam sair a terreiro para neutralizarem os danos que o PSD e CDS pudessem causar, para ver se a equipa das Finanças conseguia desarrincar uma solução alternativa a Domingues e a Caixa podia avançar com as operações necessárias ao seu reequilíbrio financeiro.

Felizmente, assim aconteceu embora, infelizmente, a alternativa que arranjaram fosse pouco mais que medíocre. Macedo não é flor que se cheire e, nos actos que pratica, é mais a fama que ele alcança do que o proveito real que se divisa. Mas, enfim, o problema foi estancado, arranjou-se uma administração e a famigerada recapitalização pode começar.


Só que os PàFs são mais tinhosos que a peste suína. Não largam. Não largam, não deslargam, não descansam enquanto não virem sangue a escorrer.

O Domingues já se foi embora e eles aí continuam. Caniches raivosos, ladram por tudo o que é canto e esquina. 

Mário Centeno tem provado ser um ministro das Finanças competente. Os resultados que tem alcançado são extraordinários dado o ponto de partida e dada a adversidade que tem encontrato, não apenas por cá como, inicialmente, pelos bafientos corredores europeus.

Agora que o seu mérito é reconhecido e o seu trabalho elogiado não apenas cá mas também junto dos anteriores cépticos, continuam aquelas fracas figuras presas a tretas que não interessam nem ao menino jesus.

Que o Centeno mostrou ser aselha a resolver questões que metem sensibilidades de divas e prima-donas já todos o sabemos, que se enredou, atrapalhado, a querer ver se acalmava o chinfrim crescente em torno da questão mas sem atinar bem com a saída do labirinto, isso já todos estamos fartos de saber.

Mas já acabou. 

O assunto está ultrapassado. 

O Domingues já se foi embora.

Agora há mil desafios pela frente. O PSD e a CDS deixaram a banca no lindo estado que se sabe. Devem saber, melhor que ninguém, o quanto há a fazer para arrumar a casa. Ou nem isso conseguem perceber...? Caraças. Incompetentes e inconscientes.


Há que consolidar a estabilidade financeira dos bancos. Há que olhar para a dívida. Há que relançar em força a economia. Mil desafios. E em vez de incentivarem o Governo, esta porcaria de oposição não faz outra coisa senão andar às voltas atrás do próprio rabo ou a cheirar o rabo uns aos outros.


As sondagens mostram bem o que os portuguesas acham do lindo trabalhinho que andam a fazer mas nem isso estas tristes almas penadas conseguem perceber.

Mentecaptos como são nem me admiraria muito de um dia destes, descerebrados como andam, ainda desatassem às bicadas na Maria Luís dos swaps e da Arrow, no Gaspar não-Acerta-Uma, no Vai-estudar-ó-Relvas ou no irrevogável vice-Portas. Quiçá o láparo se lembre até de levantar o assunto do seu esquecimento de pagar a segurança social ou outras das suas várias louváveis proezas. 

Que gente esta, caraças. Raios os PàFam.

.....   .....

Lá em cima, António Manuel Ribeiro e Carlão interpretam, com a União das Tribos,  do seu CD "Amanhã", Só eu Sei Porquê 




[A propósito: grande concerto hoje da União das Tribos em Almada. Casa esgotada e rendida.]


........

1 comentário:

P. disse...

O “romance” da CGD já cansa e aí estou de acordo com a MFLeite. Naturalmente, o propósito da extrema-direita (PSD/CDS) é desacreditar, desgastar, a CGD com o objectivo de se conseguir a sua privatização. A Esquerda à esquerda do PS (BE e CDU) deveria ter discutido melhor com o governo antes de ter tomado a atitude que tomou com vista a uma alternativa ao Domingues. Saiu-lhe um tipo da Opus Dei, o Macedo, que vai ganhar a mesma obscenidade que o Domingues, cujas provas estou para ver no que irão dar. Perde a CGD e com ela, por arrasto, os empresários que irão precisar do seu crédito. Se é que existe qualquer plano nesse sentido. Tenho dúvidas. Mas, já basta de conversa sobre a CGD. Quanto às sondagens, só espero que o tratante do Passos se mantenha à frente do PSD pois assim, em 2019, terá uns 19% de votos.
De resto, concordo com o que aqui escreve!
P.Rufino